E o atentado?

E lá no sertão pernambucano uma menina sonhava em ver a Torre Eiffel… Era tudo meio nebuloso, igual às representações de sonhos nos filmes, envoltas por gelo seco. “Um dia eu vou”, falava isso, mesmo sem acreditar. “É tão longe…”.

A vantagem do intangível é que ele não cabe no tempo e espaço que nossa vã filosofia se limita. O nosso desejo pode ser infinito e infinita deve ser nossa vontade de realizá-lo.  Pois bem, a sertaneja que vos escreve teve diversas oportunidades de se arriscar numa “eurotrip”.

Deixei passar por um sentimento que me algemou por anos, o medo. Os covardes adoram uma autossabotagem, é como se a gente não merecesse a prosperidade e cada grana que surgia era desperdiçada em coisas, que não me serviram de nada…

A minha mudança de comportamento de insegura para assertiva, me trouxe uma certeza: eu posso. O quê? Tudo. Mais uma vez a chance surgiu e dessa vez, eu fui! Não tiveram 24 horas de viagem, nem imigração carrancuda, nem pouco dinheiro, nem falta de casaco, nem atentado que me impediram de dizer SIM!

Fui arrebatada pela beleza e exotismo de Istambul (E O ATENTADO?); fui às alturas num balão na Capadócia (E O ACIDENTE?); toquei no mármore da Acrópole de Atenas (E A CRISE?), que resistiu a séculos de brutais intervenções, naturais ou não; mergulhei no gelado, transparente e estonteante Mar Egeu feliz, grata e emocionada. Foi assim que eu encontrei com ela, a Eiffel, o que há de mais clichê em Paris (E O ATENTADO?). E eu, assumidamente, adoro um clichê (vide a imagem do post).

A sertaneja conseguiu realizar um dos seus sonhos e a cada momento queria que todos tivessem a oportunidade de sentir a plenitude de vivenciar o que está a sua volta, seja em Paris ou Arcoverde, afinal não importa onde estamos e sim a concepção de que nascemos para algo muito maior do que o medo. E o atentado? Atentado é não viver.

Gabriela Patú

Professora e Gestora de Conteúdo

Iniciare Educação Criativa

4 Comentários


  1. Muito bom o texto,

    Moro em uma cidade violenta e tenho o mesmo sentimento. As pessoas não querem sair de casa com medo de serem assaltadas, mas ficar trancado dentro de casa acredito que seja dar mais liberdade aos malfeitores…

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *